top of page

Filmes: 10 surpresas e 10 decepções (ou mais) de 2021


A Última Carta de Amor: romance na Netflix


AVISO! Ainda não é a lista dos melhores do ano, que vai sair no início de 2022. Decidi fazer um post com surpresas e decepções que tive em 2021. Filmes que me surpreenderam porque eu não esperava nada (ou muita coisa) e decepções em longas-metragens, que eu achei que poderia gostar. Acontece com você, acontece comigo.


Não gosto de "pior" porque acredito que cada um enxerga um filme de um jeito - e quem sou eu para apontar o dedo e dizer que o outro está errado?


Confira abaixo a relação dos títulos. A maioria está disponível no streaming, mas dois ainda continuam nos cinemas. Se quiser saber mais, é só clicar no nome do filme (quando estiver em vermelho) que você vai ler no meu texto ampliado.


As surpresas de 2021

Val Kilmer no documentário Val: sem vaidade


A Última Carta de Amor > O elenco está impecável, assim como a recriação de época. Talvez o filme mais romântico do ano. Onde assistir: Netflix.


Alerta Vermelho > É o filme mais caro da Netflix e isso se nota nas várias cenas de ação em locações. Achei uma espécie de Missão: Impossível, só que com muito mais humor. E o adorável Ryan Reynolds é o rei da ironia. Onde assistir: Netflix.


Belle Époque > Um criativo roteiro e atuações no ponto certo fizeram a diferença nessa comédia romântica e dramática. Onde assistir: HBO Max.


O Menino que Matou Meus Pais e A Menina que Matou os Pais > Como eu não esperava nada, me surpreendi com ambos os filmes, que contam, com óticas distintas, os crime do caso Richthofen. Onde assistir: Amazon Prime Video.


Cinderela > Camila Cabello faz uma mocinha longe do estereótipo da Disney e os números musicais me empolgaram. Onde assistir: Amazon Prime Video.


Céu Vermelho Sangue > Tensão em grau máximo numa trama de reviravoltas e muito sangue. Terror sangue bom. Onde assistir: Netflix.


Val > O ator Val Kilmer se despiu da vaidade e, com câncer de garganta, relembrou sua trajetória no cinema, desde a primeira aparição, em Top Secret, de 1984. Onde assistir: Amazon Prime Video.


Polônia à Flor da Pele > Com uma safra de ótimos filmes, o cinema polonês me surpreendeu, mais uma vez, com essa comédia com personagens à beira de um ataque de nervos. Onde assistir: Netflix.


Marighella > Achei que o diretor Wagner Moura poderia ser tendencioso na cinebiografia do guerrilheiro Carlos Marighella (1911-1969). Não foi. Onde assistir: Globoplay.


Quer mais? Ainda acrescentaria à lista:

Jogo Perigoso: a série transformada em filme


Identidade > A trama poderia tocar mais a fundo no racismo, mas amei a direção de Rebecca Hall, atriz que comanda seu primeiro filme. Netflix.


Partida > O ator e diretor Caco Ciocler colocou amigos num ônibus e partiu de São Paulo em direção ao Uruguai. Nasceu um registro da polarização no país. Amazon Prime Video.


Beckett > O roteiro é tolo, mas quem se importa quando o ritmo é frenético? Netflix.


Jogo Perigoso > Era uma série para celular que virou um filme. E deu muito certo. Amazon Prime Video.


7 Prisioneiros > O cinema brasileiro mostrando que sabe registrar sua realidade sem hipocrisia. E Christian Malheiros é um grande ator. Netflix.


Encontradas > Um dos melhores documentários que eu vi em 2021 - e o Oscar ignorou. Netflix.


O Baile das Loucas > A atriz e diretora Mélanie Laurent enfocando a falta de liberdade as mulheres no século 19. Amazon Prime Video.


No Matarás > O galã espanhol Mario Casas fazendo um tipo nerd e suando literalmente a camisa para sair de uma enrascada. Amazon Prime Video.


As decepções em 2021

Finch: Tom Hanks, o robô, o cão e... só!


Caminhos da Memória > Hugh Jackman estrelou uma ficção científica com um personagem que tem uma máquina capaz de trazer de volta as lembranças de seus clientes. Do visual à trama romântica, remete a um Blade Runner - só que bem fracassado. Onde assistir: HBO Max.


Godzilla vs Kong > Espera mais, muito mais, do embate entre o gorilão e o lagarto gigante. O que vi foi uma trama banal com cenas muito escuras, talvez para esconder a mesmice dos efeitos visuais.

Onde assistir: HBO Max.


Imperdoável > Eu até posso perdoar Sandra Bullock porque ela tem uma carreira sólida. Mas é difícil perdoá-la por estrelar um drama inconsistente e cheio de furos. Onde assistir: Netflix.


Casa Gucci > Minha expectativa estava alta e fiquei bastante frustrado. Uma intrigante história real rendeu um filme com roteiro raso, atuações medianas (Lady Gaga está ok) e um sotaque italianado pavoroso. Onde assistir: nos cinemas.


A Crônica Francesa > Eu adoro alguns filmes de Wes Anderson, como O Grande Hotel Budapeste e Ilha dos Cachorros. Mas seu novo trabalho, embora tenha um visual deslumbrante, é arrastado e aborrecido. Onde assistir: nos cinemas.


Finch > Ouvi comentários como é "bonitinho", é "gracinha". Só que de um filme futurista com Tom Hanks, um robô e um cachorro, a gente espera sempre mais. Onde assistir: AppleTV+.


Em um Bairro de Nova York > Quando li que seria um La La Land latino, já fiquei de antenas ligadas. A história e sua representatividade são boas, mas queria coreografias mais elaboradas e ritmo mais pulsante, afinal é um musical com canções de Lin-Manuel Miranda. Onde assistir: HBO Max.


Let Them All Talk > Steven Soderbergh dirigindo Meryl Streep, Dianne Wiest e Candice Bergen numa história de amigas que se reencontram para um cruzeiro de navio. Encontrei uma viagem sem rumo, improvisada e aborrecida. Onde assistir: HBO Max.


Eu Me Importo > Gostei da atuação de Rosamund Pike, mas foi só. Ela interpreta uma tutora que explora idosos num filme em que as minorias são bandidos e criminosos. Onde assistir: Netflix.


Fuja > Outro caso parecido: adoro a interpretação da atriz, Sarah Paulson, mas a trama, de uma mãe que superprotege a filha paraplégica, não me convenceu, além de ter momentos patéticos de suspense. Onde assistir: Netflix.


Se quiser mais, ainda acrescentaria à lista:

Minari: não entendi as seis indicações ao Oscar


Retrato de um Campeão > Representante de Hong Kong no Oscar 2020. Netflix.


Tina > Documentário sem novidades sobre Tina Turner. Plataformas de aluguel.


Minari > Seis indicações ao Oscar 2021, incluindo melhor filme e direção. Não entendi o motivo de tantos elogios. Amazon Prime Video.


A Ausência que Seremos > O filme colombiano foi o grande vencedor do Prêmio Platino. Personagem ótimo em história mal contada. Netflix.


Isolados - Medo Invisível > Me parecia o "grande" filme de ficção sobre a pandemia. Encontrei uma história cheia de clichês, com produção pobrinha e Demi Moore pagando mico. Amazon Prime Video.


Memórias de um Amor > Colin Firth e Stanley Tucci vivendo um casal gay na terceira idade. Os atores estão excelentes, mas o roteiro é quase um nada. Plataformas de aluguel.


Quem Vai Ficar com Mário? > Não vi muitos filmes brasileiros em 2021, mas, com certeza, essa suposta comédia gay foi o pior. Amazon Prime Video.


Army of Dead > O filme de zumbis de Zack Snyder não decolou. Netflix.


Sem Remorso > Michael B. Jordan numa história do escritor Tom Clancy. Boas cenas de ação numa trama mais do que manjada. Amazon Prime Video.


11.101 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Opmerkingen


bottom of page