top of page

O Esquadrão Suicida é vibrante e melhor que a encomenda


O novo e o velho Esquadrão Suicida: aventura, humor, dramas e muitas ação


Não havia entendido o título O Esquadrão Suicida, já que existia Esquadrão Suicida, o fracassado filme de 2016. Ao assistir ao longa-metragem, disponível na HBO Max e em plataformas de aluguel, como o NOW, achei que poderiam usar O Novo Esquadrão Suicida, tanto que há personagens inéditos nessa aventura divertida e anárquica, muito bem dirigida por James Gunn, dos dois Guardiões da Galáxia.


Nem é preciso ver o primeiro - e nem recomendo. Tudo aqui parte do início, num roteiro simples e personagens bem desenvolvidos. Amanda Waller (Viola Davis) precisa de um time de anti-heróis para uma missão cabeluda. Ela, então, tira da cadeia o Pacificador (John Cena), Sanguinário (Idris Elba), Caça-Ratos 2 (Daniela Melchior), Bolinha (David Dastmalchian) e o grandalhão Tubarão-Rei (com voz de Sylvester Stallone), um tubarão digital com corpo humano. Não vou dar spoilers sobre o que acontece com alguns dos personagens do filme anterior, que aparecem na sensacional sequência de abertura.


A nova equipe, ainda liderada pelo Coronel (Joel Kinnaman), precisa ir até a ilha de Colto Maltese, na América do Sul, que teve seu governo tomado por um golpe militar. Mas os americanos não estão nem aí para a política. Amanda quer que o Esquadrão Suicida localize um projeto secreto chamado Estrela-do-Mar.


Nada de tramas complexas ou conspirações que só os fãs dos quadrinhos são capazes de decifrar. O humor ácido e bizarro é a principal fonte. Se você, assim como eu, curtiu a violência ultrajante e as tiradas sarcásticas de Deadpool, vai embarcar nessa comédia absurda, recheada de passagens nonsense, explosões e artilharia pesada, que decepam corpos e detonam cabeças.


Adorei o mix de gêneros de O Esquadrão Suicida: é comédia, tem muita ação e toques superficiais de drama político, traz reflexões sobre relações familiares, flerta com o cinema-catástrofe e termina como um filme de monstro, na linha de Godzilla. A fórmula podia desandar, mas deu muito certo! Só lamentei duas coisas: o ridículo papel da brasileira Alice Braga (como uma estereotipada guerrilheira rebelde) e, coitado, Stallone dublando um personagem que fala pouquíssimo.



142 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page