15 filmes muito importantes que só tem na HBO Max


Cinema Paradiso: a obra-prima de Tornatore


A HBO Max conquistou meu coração. Além de novidades, o streaming que reúne os filmes da Warner e as produções da HBO tem uma porção de clássicos e cults. Vale ressaltar! Para fazer essa lista, deixei de lado obras-primas como Casablanca e Cidadão Kane, assim como os longas-metragens de Stanley Kubrick (tem vários!). Me concentrei no cinema feito a partir da década de 70 até o início dos anos 2000 - e que, como diz o título do post, são filmes só encontrados, em plataformas de assinatura, na HBO Max.


Adeus, Lenin! (2003) > É incrível e original a história dessa comédia dramática alemã. Na trama, um jovem precisa esconder da mãe comunista, que estava em coma durante a queda do Muro de Berlim, que a Alemanha Oriental não existe mais.


Boogie Nights (1997) > O filme que revelou o imenso talento do diretor Paul Thomas Anderson traz à tona as aventuras e desventuras de um ingênuo ator pornô, entre o fim da década de 70 e início dos anos 80. Além do protagonista, Mark Wahlberg, o elenco traz Burt Reynolds, Julianne Moore e Don Cheadle.


Hamlet: a mais completa tradução de Shakespeare


Hamlet (1996) > A versão de 1948 com Laurence Olivier é um clássico, mas essa adaptação da obra de Shakespeare, realizada e protagonizada por Kenneth Branagh, tem a tradução mais completa. São quatro horas de duração para contar a saga de Hamlet, que regressa ao lar e encontra sua mãe casada com seu tio, após a morte de seu pai.


Eclipse Total (1995) > O livro Dolores Claiborne ganhou uma ótima (e pouco conhecida) versão estrelada por Kathy Bates e Jennifer Jason Leigh. Dolores está sendo acusada de matar sua patroa idosa e a filha chega à cidade onde ela foi presa.


Seven (1995) > Além de um dos melhores filmes de David Fincher, é um policial que ninguém esquece o estarrecedor desfecho. Brad Pitt e Morgan Freeman são detetives que perseguem um serial killer, que mata seguindo os sete capitais.


Lembranças de Hollywood: o inesquecível encontro de Meryl Streep e Shirley MacLaine


Lembranças de Hollywood (1990) > O filme foi criticado à época, mas é ainda um prazer ver Meryl Streep contracenando com Shirley MacLaine nessa versão disfarçada do relacionamento entre as atrizes (e mãe e filha) Debbie Reynolds e Carrie Fisher. E Meryl, que vive uma cantora country alcoólatra, dá um show ao microfone.


Cinema Paradiso (1988) > A obra-prima do italiano Giuseppe Tornatore mora no coração dos cinéfilos. Após a morte de Alfredo, Totó regressa à sua terra natal, na Sicília, e relembra sua infância e adolescência quando ajudava o projecionista no único cinema da cidade.


Império do Sol (1987) > Um grande e monumental momento dramático de Spielberg no cinema, que mostra a luta de um garoto (Christian Bale) para sobreviver sem a família na China ocupada pelos japoneses, em 1941.


O Nome da Rosa (1986) > O francês Jean-Jacques Annaud conseguiu a proeza de adaptar muito bem o livro homônimo de Umberco Eco, a respeito de um frade (Sean Connery) que decide investigar uma série de crimes numa abadia.


A Cor Púrpura: Whoopi Goldberg dá um show!


A Cor Púrpura (1985) > Talvez seja meu filme preferido de Steven Spielberg, que adaptou brilhantemente o livro de Alice Walker. A trama se passa no início do século XX e está centrada no sofrimento de Celie (Whoopi Goldberg), que foi estuprada pelo pai e casou com um homem violento que gostava da irmã dela.


Negócio Arriscado (1983) > Tom Cruise foi revelado nessa aventura cômica sobre um adolescente de Chicago que, com os pais longe de casa, decide fazer uma festa de arromba. Mas a balada foge ao controle do rapaz.


Tootsie (1982) > Hoje o filme seria taxado de politicamente incorreto, mas, na época, divertiu (e muito) as plateias. Eu revi recentemente e continua muito boa a história do ator fracassado (Dustin Hoffman) que, para conseguir um emprego num programa de TV, se disfarça de mulher.


Blade Runner: visual futurista impressiona ate hoje


Blade Runner (1982) > A magnífica ficção científica dirigida por Ridley Scott e inspirada num livro de Philip K. Dick virou um cult no decorrer das décadas. E não é para menos. Com seu inigualável visual futurista, a trama é o sobre um policial (Harrison Ford), que tem a missão de caçar androides fugitivos, na Los Angeles de... 2019 (!).


Fama (1980) > O diretor Alan Parker fez um dos musicais mais contagiantes da década de 80 e escalou um time de talentosos novatos para interpretar adolescentes de uma escola de artes performáticas de Nova York. A música Fame, na voz de Irene Cara, ganhou o Oscar.


Amargo Pesadelo (1972) > Da trilha sonora à violência crua, o diretor John Boorman deixou sua marca registrada nessa aventura dramática sobre um grupo de amigos que, durante um passeio de canoa, passa por uma série de apuros numa floresta inóspita.


INSCREVA-SE aqui para receber a Newsletter

1,694 visualizações

Posts recentes

Ver tudo