Shiva Baby: transgressão na comunidade judaica


Foto: divulgação


É atraente a estreia em longa-metragem da diretora Emma Seligman, canadense que estudou cinema em Nova York e, lá, realizou seu primeiro curta. Shiva Baby, que está disponível na MUBI, é o longa derivado do curta e amplia a história de uma garota que, de certa forma, faz uma transgressão na comunidade judaica americana.


Ganhe um mês de assinatura grátis na MUBI numa parceria com meu site. Só clicar para mais.


Na primeira cena, a jovem Danielle (Rachel Sennott) acabou de transar com Max (Danny Deferrari) e recebe um telefonema. Ele a abraça fortemente e promete pagar seus estudos. Ela quer o pagamento pelo sexo. Não fica muito claro, mas estamos diante de um caso de sugar baby/sugar daddy - a relação em que homens maduros oferecem presentes e dinheiro a mulheres novinhas em troca de sexo.


Na sequência seguinte, Danielle encontra seus pais e, juntos, vão a uma shivá, cerimônia judaica de sete dias de luto. O ritual é realizado dentro de uma residência no Brooklyn, em Nova York, onde há comes e bebes e muito bate-papo. Danielle, desconfortável entre tantas pessoas mais velhas, fica pasma ao saber que Max, seu sugar daddy/amante, está na casa e, para piorar, conhece seus pais.


A realizadora usa praticamente uma única locação em uma narrativa em tempo real. Isso, porém, não impede que o filme tenha fluidez. A cineasta sabe tirar proveito do espaço e borda seu roteiro com situações embaraçosas. Pontilhados de humor, os diálogos são ácidos e saborosos e as saias-justas vão despontando ao longo da trama.


O que sobressai nas estrelinhas, contudo, é o desabrochar de uma estudante carente, em conflito com sua sexualidade e precisando de uma autoafirmação, que chega por meio do sexo pago. É uma visão polêmica, sem dúvida, porém inspirada em casos reais, recolhidos pela diretora em sua vida universitária.



INSCREVA-SE aqui para receber a Newsletter



183 visualizações

Posts recentes

Ver tudo