Coração Errante: um gay perdido num roteiro à deriva


Leonardo Sbaraglia: muito sexo e pouco amor


Coração Errante (ou Errante Corazón, no original), disponível na HBO Max, é uma coprodução entre Argentina e Brasil e o filme se passa entre os dois países. Fui com uma grande expectativa porque gosto muito de Leonardo Sbaraglia, mas até mesmo o ator não entrega uma performance à altura de seu talento.


É o segundo longa-metragem do diretor e roteirista argentino Leonardo Brzezicki, mas parece filme de principiante, já que sua pretenciosa história anda em círculos e não chega a lugar nenhum.


Pouco se sabe do passado de Santiago (Sbaraglia), dono de um restaurante que tem uma filha adulta e é homossexual. Em uma das primeiras cenas, ele entra num apartamento, onde ocorre uma orgia entre homens, e reencontra um ex-namorado.


Em seguida, vai ao encontro de outro ex, que mora num casa de campo, e lá, só arruma mais confusões. No Rio de Janeiro, onde mora a mãe de sua filha, também acontece algo parecido quando conhece um casal gay.


Ou seja: desde o início, sabemos que o protagonista tem um "coração errante", que confunde sexo com amor, desejo com paixão, flertadas com romantismo. É um homem maduro na idade e um adolescente na essência.


Sbaraglia, como disse acima, era minha grande esperança. Ele já tinha interpretado um homossexual no tórrido Plata Quemada (2000) e foi o ex-amante de Antonio Banderas em Dor e Glória.


Em Errante Corazón, o astro argentino erra a mão na atuação, talvez pela má condução do realizador. Quando está entre gays, faz trejeitos e olhares estereotipados e, entre héteros, muda totalmente a postura. Nas cenas mais "calientes" de transa, é visível seu desconforto.



INSCREVA-SE aqui para receber a Newsletter

276 visualizações

Posts recentes

Ver tudo