top of page

Azul Cobalto: ousado romance gay na Índia


Tanay e o inquilino: forte atração sexual


Acredite se quiser, mas a Índia só descriminalizou a homossexualidade em 2018. Como a trama de Azul Cobalto, da Netflix, se passa em meados nos anos 90, os gays eram tratados como fora da lei.


Para os padrões indianos, achei o filme ousado. Tanay (Neelay Mehendale) é um jovem aspirante a escritor, que se identifica com seu professor de literatura que, claramente, vive no armário. Rola uma tensão sexual entre eles, mas o reprimido rapaz vive num vilarejo, mora com os pais, o irmão mais velho e a irmã liberal, que quer ser jogadora de críquete - numa sociedade patriarcal!


Após a morte do avôs de Tanay, um quarto da espaçosa residência fica vago e ele é alugado para um enigmático artista plástico (Prateik Babbar). Tanay fica embevecido com a beleza, o físico e a inteligência do inquilino. E o bonitão também enxerga algo a mais em Tanay. Deu match!


Almodóvar é uma influência na carreira do diretor, roteirista e dramaturgo Sachin Kundalkar, autor do livro homônimo que originou o filme. Seu trabalho não tem referências visuais do cineasta espanhol, mas, nos anos 2020, ele quer construir um cinema em prol da causa LGBTQIA+ na Índia. Que seus caminhos se abram! Azul Cobalto está na direção certa para mostrar um passado não tão distante que não pode ser esquecido.





999 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page