top of page

Como Pétalas que Caem: emoções baratas e apelativas


O casal do filme: separados por uma doença


Se o Japão produz filmes artísticos, como Drive My Car, vencedor do Oscar, o país asiático também tem grandes abacaxis em sua cinematografia. É o caso de Como Pétalas que Caem, da Netflix.


Até o título do filme, inspirado no livro de Keisuke Uyama, é cafona. E a trama demooora a engrenar. Só tive paciência porque li um comentário que "melhorava" depois dos trinta minutos. Que nada!


Misaki (Honoka Matsumoto) é uma cabeleireira extrovertida que, em sua primeira experiência profissional, conhece o tímido Harutoo (Kento Nakajima). Eles se apaixonam, mas o romance não rola. O que ocorre, então, após meia hora? Ela descobre ter uma doença incurável, que provoca envelhecimento rapidíssimo. Ou seja: em seis meses, será um idosa.


A doença até existe mas, do jeito que é colocada na trama, parece coisa de ficção científica. E antes fosse. Como drama romântico, o filme é muito apelativo e também preconceituoso - qual o problema de uma jovem de 25 anos sair às ruas com aparência mais velha? A protagonista se comporta como se fosse um monstro e, para não colocar outra atriz no lugar da protagonista, Honoka Matsumoto é (mal) maquiada e vive coberta por cachecóis e óculos escuros, tipo o Homem Invisível. O que é para ser trágico, vira involuntariamente cômico.


Com mais de duas horas intermináveis, Como Pétalas que Caem tem, é claro, um desfecho de arrancar lágrimas forçadas de Kento Nakajima, ídolo e cantor no Japão. Só não vai levar abacaxi na avaliação porque eu adorei ver as cerejeiras em flor (rs).





708 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page