Um Lugar Silencioso II é tão bom quanto o primeiro?


Os filhos e a mãe: protagonistas de Um Lugar Silencioso - Parte II (foto: divulgação)


Me lembro bem. Em março do ano passado, eu iria fazer um sessão para convidados, que eu tinha quando trabalhava da Vejinha, com a pré-estreia de Um Lugar Silencioso - Parte II. Mas aí vieram a pandemia e a quarentena... o filme foi adiado e os cinemas fecharam.


Após um ano e quatro meses, Um Lugar Silencioso - Parte II chega, finalmente, às salas e foi um dos únicos filmes que vi numa sessão presencial para a imprensa. Estava e estou com saudades de ir ao cinema e entendo quem ainda esteja com receio, mesmo com os protocolos de segurança sendo seguidos à risca.


Mas minha intenção aqui é escrever sobre o filme e dizer que vale sua visita a uma boa sala de exibição: a imersão com uma tela grande e áudio impecável (tipo Imax) aumenta sua experiência.


A trama começa antes dos acontecimentos do primeiro Um Lugar Silencioso, de 2018. É uma sequência de tirar o fôlego, que dura pouco mais de dez minutos, e mostra como a paz de uma pequena cidade americana é varrida com a chegada dos alienígenas.


Em seguida, o roteiro retoma onde terminou Um Lugar Silencioso (tem spoiler!): o marido de Evelyn (Emily Blunt) morreu e ela tem de cuidar sozinha dos três filhos: um recém-nascido, um garoto (Noah Jupe) e uma adolescente (Millicent Simmonds). E todos precisam ficar em silêncio porque, com um mínimo ruído, os monstrengos percebem a presença dos humanos.


A cena de abertura é espetacular (eu adoro filmes de destruições!), mas você não vai encontrar nada parecido daí em diante. O roteiro, do também diretor John Krasinski, segue em três direções, o que faz com que a família se separe. Não sei se foi a melhor solução, já que esse tipo de estrutura narrativa me lembra mais a das séries.


O que não se pode negar é o talento do cineasta, que marca presença a cada instante. São vários os momentos de tensão e angústia. Te garanto que dá para pular da cadeira sem muito esforço.


Quanto à pergunta da chamada do post: Um Lugar Silencioso - Parte II é melhor que o filme de 2018? Não. Talvez pelo primeiro ter uma ideia tão original e um desfecho inesperado, a sequência fica enfraquecida porque as situações quem envolvem medo e pavor se tornam repetitivas.



INSCREVA-SE aqui para receber a Newsletter

225 visualizações

Posts recentes

Ver tudo