top of page

O Festival do Amor: um bom Woody Allen - para cinéfilos


Mort, a esposa e o diretor francês: infidelidade na cidade espanhola (foto: divulgação)


Woody Allen tem 86 anos e está em plena atividade. Dos diretores vivos, coloco num lugar destaque entre meus preferidos. Sua filmografia é uma das mais ricas da história do cinema e, em seus quase cinquenta longas-metragens, errou muito pouco. O Festival do Amor, seu novo trabalho que chegou no NOW e outras plataformas de aluguel, é um bom Woody Allen, mas já aviso: é um programa que os cinéfilos vão gostar mais.


Em suas histórias, Allen gosta de abordar relações afetivas conturbadas e aqui não é diferente. Seu alter ego, desta vez, é Mort Rifkin (Wallace Shawn), um professor de cinema que, a contragosto, acompanha sua mulher, Sue (Gina Gershon), ao Festival de Cinema de San Sebastian, na Espanha.


Ela trabalha como relações públicas e vai assessorar o diretor-galã francês Philippe (Louis Garrel) nas entrevistas. Mort desconfia que sua esposa está tendo um caso com o cineasta. Após sentir umas dores no peito, ele vai fazer uma consulta e fica encantando com a jovem médica espanhola (Elena Anaya).


Wallace Shawn tem o physique du role de Allen. É baixinho, careca e sem nenhum atrativo físico. Sua lábia e inteligência, porém, são as armas da conquista. A infidelidade do casal de protagonistas rende momentos divertidos sem que o realizador precise fazer muito esforço em seu roteiro básico.


A maior qualidade de O Festival do Amor está na bela homenagem ao cinema. Mort é um personagem que não se interessa pelos filmes atuais - e aí entra a criatividade de Allen para recriar momentos emblemáticos de clássicos de Godard, Truffaut, Buñuel, Bergman, Fellini... Quem "pescar" todas as referências, vai se deliciar.





1.268 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page