Amazon Prime: 10 filmes do pulsante cinema dinamarquês


Mads Mikkelsen e Alicia Vikander em O Amante da Rainha: um escândalo na corte em 1766


Depois do sucesso da lista de filmes poloneses na Netflix, busquei outro país que está com uma filmografia fervilhante: a Dinamarca. O país escandinavo ganhou o Oscar em 2021 por Druk e tem chance, novamente, em 2022 com o ainda inédito Flee. Desta vez, porém, mudei a plataforma de streaming: são 10 filmes no Amazon Prime Video.


Filhos da Dinamarca > A trama tem início com uma explosão em Copenhague, que mata mais de vinte pessoas. É a deixa para Martin Nordahl, líder de extrema-direita e forte candidato a primeiro-ministro, destilar seu discurso de ódio contra imigrantes, árabes e muçulmanos. Os islâmicos decidem revidar aos ataques xenofóbicos. O filme propõe a analisar o pensamento dos radicais, com fortes emoções e desfecho catártico.


A Comunidade > O dinamarquês Thomas Vinterberg, vencedor do Oscar 2021 de melhor filme internacional por Druk, disseca aqui conflitos entre quatro paredes – e o faz de uma maneira deliciosa. Nos anos 70, Erik e Anna (Ulrich Thomsen e a maravilhosa Trine Dyrholm) decidem espantar o tédio do casamento com uma proposta prafrentex: convidar amigos para morar com eles em um casarão de Copenhague.


O Amante da Rainha > Indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 2013, o drama traz uma caprichada produção de época para registrar um caso polêmico ocorrido na corte dinamarquesa no século XVIII. Carolina Matilde (Alicia Vikander), Princesa da Grã- Bretanha, casa-se com Cristiano VII (Mikkel Boe Folsgaard), rei da Dinamarca, em 1766. Após o nascimento do primeiro filho e entediada, ela se envolve com o médico oficial da corte, interpretado por Mads Mikkelsen.


Quando o Dia Chegar > O roteiro foi inspirado em histórias verídicas ocorridas em orfanatos dinamarqueses na década de 60. Na trama, dois irmãos, de 13 e 10 anos, vão para num orfanato enquanto a mãe deles é internada num hospital de Copenhague. A partir daí, os garotos vão sofrer nas mãos de professores estúpidos.


Culpa > Foi o representante da Dinamarca no Oscar 2019. Na trama, o oficial de polícia Asger é responsável por atender a chamados corriqueiros e, agora, está diante de algo bem mais eletrizante. Ele recebe a desesperadora ligação de uma mulher que diz ter sido levada de casa pelo ex-marido e corre risco de ser morta. A refilmagem americana, O Culpado, fez sucesso recentemente na Netflix.


A Caça > Mads Mikkelsen (de Druk) interpreta o professor de uma escolinha, divorciado, pai de um adolescente e querido pelas crianças. Mas sua vida vai sofrer um turbilhão de emoções quando uma garotinha insinua ter tido brincadeiras íntimas com ele. O (suposto) caso de pedofilia vai causar tumultos numa pequena cidade - e é impossível ficar indiferente aos rumos tomados pela trama.


Departamento Q > O Amazon Prime Video tem quatro filmes inspirados na série de livros do escritor dinamarquês Jussi Adler-Olsen. Departamento Q é onde ficam casos policiais arquivados e é para lá que é enviado o detetive Carl Morck (Nikolaj Lie Kaas), que recebe Assad (Fares Fares) como assistente. A ordem dos filmes é Guardião das Causas Perdidas (2013), O Ausente, (2014), Uma Conspiração de Fé (2016) e o único que eu vi e gostei muito: Em Busca de Vingança, de 2020, que se tornou a maior bilheteria da Dinamarca e trata-se da investigação de corpos mumificados encontrados num apartamento de Copenhague.


INSCREVA-SE aqui para receber a Newsletter

702 visualizações

Posts recentes

Ver tudo