top of page

Confie em Mim: como pode ser chocha e envolvente?


A mãe de Igor a Adam: ele é responsável pela morte do amigo? (foto: divulgação Netflix)


O escritor americano Harlan Coben é o novo queridinho da Netflix. Seus livros já tiveram adaptações inglesas (Não Fale com Estranhos e Fique Comigo), espanhola (O Inocente) e francesa (Desaparecido para Sempre). Depois de Silêncio na Floresta (2020), a Polônia conquistou os direitos de fazer a versão de Confie em Mim. Me envolvi bastante, mas as resoluções me frustraram.


Tudo começa com a morte de Igor, um jovem que teve uma overdose de medicamentos controlados e álcool. A mãe dele culpa seus três colegas, sobretudo Adam (Krzysztof Oleksyn), que era o melhor amigo de seu filho.


No segundo episódio, o desaparecimento de Adam vai unir ainda mais três famílias amigas, que moram num bairro rico de Varsóvia: os pais de Adam, os pais da namorada dele e a mãe do falecido. Ao mesmo tempo, um casal está sequestrando mulheres na cidade. Ambas as tramas têm algo em comum?


Seis capítulos me fizeram ficar com a pulga atrás da orelha. Coben sabe equilibrar dramas pessoais com mistério e investigação policial. Achei, contudo, que há muitos personagens e subtramas, algumas, inclusive, mal resolvidas. Pistas falsas deixam a história instigante.


O que me decepcionou? A partir do capítulo 5, a gente já sabe quem está por trás de tudo - e a conclusão/prisão é muito morna e chocha para tanto suspense e muitos conflitos. Há, ainda, mais um desfecho pouco convincente e, para fechar, uma "pegadinha" de moral duvidosa.





748 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page