top of page

Sky Rojo: sequência mantém a história em ritmo pulsante


Gina e Coral: prostitutas em fuga (foto: Netflix)


Ao terminar de ver os oito primeiros episódios de Sky Rojo, em abril, me deu uma angústia e pensei: quando será que a Netflix vai lançar a continuação? Ainda bem que não demorou muito. Os novos oito capítulos, que estão chamando de segunda temporada, mas, na verdade, é uma sequência, já estão disponíveis. Se você ainda não viu, não sabe o que está perdendo.


É uma série espanhola, dos mesmos criadores de La Casa de Papel, com um ritmo alucinante, que mistura dramas, aventuras, tensão e humor absurdo. Guardadas as devidas proporções, parece um cruzamento de Almodóvar com Tarantino.


Vou só dar só um pequeno resumo da história. Romeo (Asier Etxeandia, o amigo de Antonio Banderas em Dor e Glória) é dono de um bordel de luxo em Tenerife, a maior ilha das Canárias, que pertence à Espanha. Ele faz tráfico de mulheres e explora as prostitutas, além de ser um cafajeste arrogante e criminoso.


Numa discussão com o cafetão, a cubana Gina (Yanis Prado) envolve as colegas Coral (Verónica Sánchez) e Wendy (Lali Espósito) numa tragédia. Não há outra solução: fugir para não serem mortas. Só que Romeo colocou dois capangas no encalço das moças.


A sequência mantém a narrativa pulsante, as traições inesperadas, as reviravoltas empolgantes e a violência cartunesca. Não há meio-termo (e acho isso uma qualidade): todos os personagens masculinos são machistas, bandidos, infiéis ou hipócritas e as mulheres, todas garotas de programa, estão envolvidas em romances infelizes ou dramas pessoais. As três protagonistas, contudo, têm a oportunidade de virar o jogo.


O bom também é que cada episódio dura cerca de vinte minutos, ou seja, dá para maratonar rapidinho as duas partes.



155 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page