top of page

O Conde: alegoria sobre um Pinochet vampiro

Um dos destaques do filme é a bela fotografia


Neruda, sobre o poeta chileno, Jackie, sobre Jaqueline Kennedy e Spencer, sobre a Princesa Diana. Parece que o diretor chileno Pablo Larraín está se especializando em cinebiografias. E não é diferente em seu novo filme, O Conde, que foi exibido em setembro no Festival de Veneza, onde ganhou o prêmio de melhor roteiro, e está disponível na Netflix.


De todos os seus trabalhos, este é, o mais autoral e complexo. Com uma belíssima fotografia em preto e branco, o cineasta e também roteirista faz uma crítica ao ditador Augusto Pinochet, porém de uma forma alegórica e fantasiosa.


Na trama, Pinochet não morreu. É um vampiro que, à noite, sobrevoa Santiago à procura de suas vítimas. Ao sentir-se cansado e decidido a morrer, ele recebe a visita de seus cinco filhos.  Há longos diálogos e situações bizarras em meio ao humor sarcástico. Vale ver, embora, na minha opinião, não seja para todos os paladares.  



51 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page